Data center aquece casas suecas

22.1.2019

As empresas de energia E.ON e de tecnologia em nuvem Online Group uniram-se para um projeto de construção conjunto em Vallentuna, perto de Estocolmo, Suécia. Seu novo data center é um dos mais ecologicamente avançados do mundo. A refrigeração dos servidores do centro gera calor residual, que é transferido para a rede de aquecimento urbana de Vallentuna com bombas de calor energeticamente eficientes, e é usado para aquecer as residências da cidade. O centro é refrigerado com energia renovável.

Energia eficiente mesmo com carga parcial

– Toda a capacidade de refrigeração do centro de dados é transformada em energia térmica e transferida para a rede de aquecimento urbano com duas bombas de calor industriais ChillHeat P300 Oilon, informa o Gerente de Projetos da E.ON, Nils Svensson

As bombas de calor ChillHeat refrigeram simultaneamente o centro e utilizam o calor residual gerado para produzir energia térmica de alta temperatura para a rede de aquecimento urbano. A capacidade total de refrigeração do centro de dados é de 500 kW na primeira fase, com uma capacidade final de 2000 kW.

As bombas de calor da Oilon nos fornecem os benefícios da excelente eficiência energética, a opção por cargas parciais, refrigerante HFO, saída de alta temperatura e tamanho compacto, elogia Svensson.

As bombas de calor em Vallentuna são dimensionadas para produzir água a +85 graus, mas podem atingir até +100 graus, se necessário.  O equipamento usa o refrigerante R1234ze, que tem um impacto ambiental muito baixo.

As bombas de calor em Vallentuna mantêm sua excelente eficiência energética mesmo quando usadas em uma capacidade menor. As bombas de calor são geralmente equipadas com oito compressores. Isso possibilita modular a capacidade de refrigeração entre 10 e 100 por cento sem diminuir o coeficiente de desempenho, diz o Gerente de Vendas da Oilon, Samuel Östman. 

– No centro de Vallentuna, o calor residual é capturado exclusivamente com a tecnologia da bomba de calor.
É economicamente competitiva, energeticamente eficiente e ecológica, continua Östman.